A colunista que mais come mosca

A coluna escrita por Tati Bernardi hoje (e sempre) é a coluna de um homem, só que assinada por uma mulher. Esse é o papel dessa moça no jornal (e na sociedade): ela serve para veicular a opinião média masculina na voz de uma mulher, legitimando assim tudo que os homens pensam sobre as mulheres, sobre si mesmos, sobre o mundo. A coluna dela não faz sentido se analisada individualmente: ela compõe a base para que os colunistas homens brilhem, tanto os colunistas homens de direita, com seu machismo chic e refinado, cheio de referências intelectualizadas; quanto os colunistas homens de esquerda, com seu machismo cordial e “deixa disso”.

O leitor do jornal tem acesso à opinião dos colunistas de direita que acham que toda mulher é puta, à opinião dos colunistas de esquerda sempre queixosos de que a sensibilidade tenha mudado e já exista quem questione a pureza de intenções desses “homens que gostam de mulheres”, e à opinião de, veja só, um exemplar da raça que vem a público confirmar as expectativas de todos e dar a real sobre O Que São As Mulheres e o que Elas Pensam da Vida.

O que uma mulher como Tati ganha? Reconhecimento? Ser vista como igual pelos colunistas homens de direita ou de esquerda? Claro que não. Tudo que ela ganha é um certificado de que ela não é chata. Ela sim é uma mulher sincera e engraçadinha.

Chama atenção a insistência em chamar mulheres de chatas. Chata aparentemente é tudo que uma pessoa feita para o entretenimento não devia ser. Mas algumas (e cada vez mais) são, veja se o colunista de esquerda, aquele mesmo que ama as mulheres, não tem todas as razões do mundo para se afundar na melancolia.

Feira Plana 2014: Kimland

No fim de semana que vem, dias 8 e 9 de março, tem Feira Plana, uma feira de fanzines e publicações independentes que acontece no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo. Estarei lá com uma banquinha para…

Para vender o fotolivro que produzi em parceria com Mariana Newlands! O livrinho (era para ser um fanzine, mas nossa megalomania falou alto e ficou mais para livro) tem fotos e textos meus escritos em Pyongyang e projeto gráfico dela. Está super, super bonito. Imprimimos (leia-se: estamos nesse processo de mandar para a gráfica) em papel pólen 90g, 80 páginas, todo colorido, com lombada, bilingue, editado e revisado por Luciana Lima e Flávia Stefani.

capa_Kimland_teste1

Cada exemplar vai custar R$ 30 na Feira e vou aceitar encomendas por e-mail até o começo de abril (basta escrever para julianasilvacunha@gmail.com. O frete será de R$ 10 para qualquer lugar do Brasil). Depois disso o livrinho estará à venda no site da Kaput Livros, mas o preço vai subir um pouco por conta do intermédio. Não ficou tão barato quanto eu gostaria, mas considerando que só o valor de gráfica foi de R$ 24 por exemplar, acho que está justo. Publicar independente, em baixa tiragem e com bom acabamento eleva os custos, não tem muito jeito.

Screen shot 2014-03-02 at 12.38.46 PM

Além de “Kimland”, levarei também cinco exemplares de “Amor | Pequenas Estórias”, coletânea da Confeitaria Mag organizada por Fabiane Secches com direção de arte de Thiago Thomé. O livro, também publicado de maneira independente, conta com 39 microcontos ligados pela temática amorosa com diferentes abordagens, todos eles ilustrados. Para ver uma prévia basta acessar o site confeitariamag.com/amor pelo celular. Tem texto meu e de várias pessoas queridas nesse livro como Thiago BlumenthalDaniela Arrais e Ana Luiza Gomes.

1972427_621859034552579_1525999638_n

O livrinho da Confeitaria já está esgotado, esses são os últimos cinco exemplares disponíveis. Depois teremos uma nova edição. Cada exemplar custa R$ 50.

Para terminar, minha mesinha na Feira Plana ficará perto da entrada do auditório do MIS, junto com a Lote 42, a editora que publicou o “Já Matei Por Menos”, o “Seu Azul”, o “Pintinho” e o “Manual de Sobrevivência dos Tímidos”. Eles vão vender os títulos da editora lá e também vão lançar um fanzine do site Trilhos Urbanos que custará R$ 3. Aceitaremos cartões de crédito e débito (vou pongar na maquininha de cartão da Lote 42!) e na compra de qualquer livro da Lote 42 o fanzine deles sai de graça. Se for pagar em dinheiro, tente levar trocado, por favor.

1970416_601620273245601_2132682054_n

Acho que a Feira Plana desse ano será épica, tem tantos amigos meus lançando fanzines e livros independentes todos no mesmo dia! Veja aqui todo mundo que estará lá e os detalhes do evento.

Aparelhos que se renovam

Diante do horror daquela foto do suposto assaltante preso ao poste com uma trava de bicicleta no Rio de Janeiro, lembrei de um conto de Machado de Assis chamado “Pai contra mãe” em que ele pontua o caráter estrutural da escravidão e suas consequências em todos os aspectos da vida social brasileira.

Logo no começo do conto ele fala dos aparelhos e ofícios que entraram em desuso com a abolição, mas a foto do jovem acorrentado mostra que embora os aparelhos tenham entrado em desuso eles continuam sim muito úteis, tanto que estamos até adaptando outros objetos para cobrir esse filão de mercado. Machado também chama atenção para o fato de que a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco e o cruel. Não é mais ou menos isso que os nossos amigos têm dito sobre esse episódio nos elevadores e redes sociais da vida? Mas por ser Machado de Assis e não um blogueiro opinativo ocupado com a onde de calor, com a filha de Woody Allen e com o jovem negro ao mesmo tempo, ele deu um passo além das nossas timelines e apontou para o jogo de contradições que não permite identificar uma [ou uma só] vítima na história. Por isso o nome do conto é pai contra mãe e nossos amigos que pedem a cabeça do jovem talvez sejam o pai, mas quem somos nós?

“A escravidão levou consigo ofícios e aparelhos, como terá sucedido a outras instituições sociais. Não cito alguns aparelhos senão por se ligarem a certo ofício. Um deles era o ferro ao pescoço, outro o ferro ao pé; havia também a máscara de folha-de-flandres. A máscara fazia perder o vício da embriaguez aos escravos, por lhes tapar a boca. Tinha só três buracos, dous para ver, um para respirar, e era fechada atrás da cabeça por um cadeado. Com o vício de beber, perdiam a tentação de furtar, porque geralmente era dos vinténs do senhor que eles tiravam com que matar a sede, e aí ficavam dous pecados extintos, e a sobriedade e a honestidade certas. Era grotesca tal máscara, mas a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco, e alguma vez o cruel. Os funileiros as tinham penduradas, à venda, na porta das lojas. Mas não cuidemos de máscaras”. [+]

[Pai contra mãe, Machado de Assis]

Beijo de novela

Verdade, ter dois homens se beijando na novela é um primeiro passo. Mas um primeiro passo rumo a quê? Rumo ao projeto de inclusão de quem e por quem? Em que termos essa inclusão se dará? O problema crucial dessas inclusões televisivas empreendidas pelas novelas da Globo é o achatamento das diferenças. Quando é tolerado na televisão, o diferente passa a ser igual. É assim que temos pessoas de todas as etnias, origens, rendas, religiões e até nacionalidades representadas em novelas, mas pensando exatamente como a classe dominante brasileira (ainda que seus pensamentos costumem ser uma mímese rasteira e simplificada dos pensamentos da classe dominante brasileira, que é para ficar mais “realista”, pontuada aqui e acolá por uma excentricidade desimportante só para dar uma cor local).

Os gays que se beijam na novela são dois atores heterossexuais, brancos, lindos, magros, discretos, masculinizados, ricos, cisgêneros que dão uma bitoquinha chocha e assexuada. Nada disso ajuda a lidar com as diferenças, só passa uma impressão infantilizada de que a discriminação é sempre um capricho fruto de ignorância e que pode ser resolvida com PowerPoints e panfletos explicativos e não um posicionamento político violento de manutenção de privilégios historicamente adquiridos.

A dificuldade em lidar com o diferente reside justamente no fato de que ele não é como a gente, é fruto de outra experiência pessoal, de outra experiência histórica, tem outros anseios, outro código moral, outras necessidades, insiste em pensar, agir, consumir, se relacionar, produzir cultura, se vestir, falar, votar, transar e criar os filhos de modo diferente do nosso. Produtos culturais que vendem a ideia de igualdade e homogeneidade não estão ensinando a sociedade maior a respeitar o diferente, estão ensinando o diferente a se moldar de um jeito que ele possa ocupar um espacinho delimitado na sociedade maior, que faz um grande estardalhaço para mostrar como é boa de alma por recebê-lo no quarto de hóspedes da vida em sociedade.

Troque seu beijo de novela por um beijinho no ombro e seja gay (ou gordo, ou pobre, ou negro, ou estrangeiro, ou nordestino, ou deficiente físico, ou do terreiro) em seus próprios termos.

A jardineira

Existem pais que passaram toda a infância dos filhos fazendo promessas vazias sobre uma futura viagem à Disney que nunca se concretizou ou sobre um presente caro que eles sempre quiseram, mas que ficava além das posses familiares. Dizem que isso é muito bom para a formação da criança: ensina a lidar com as frustrações, ensina que na vida nem tudo é possível.

Quando eu era criança, um ônibus bonito, de janelas grandes e banquinhos que mais pareciam bancos de parque rodava os pontos turísticos de salvador. As pessoas chamavam aquilo de jardineira. Era um ônibus especial, com uma tarifa levemente acima da tarifa convencional e um trajeto um pouco fora de mão para os moradores já que o objetivo era apresentar a cidade e não levar do ponto A ao ponto B. Eu e minha irmã sempre quisemos andar nesse ônibus. Minha mãe prometia que um dia nos levaria, mas nós crescemos, o ônibus saiu de circulação e ela nunca levou. Minha mãe me negou não uma viagem à Disney, não o carrinho de Jorge Del Salto, mas um mísero passeio em um ônibus bonito.

Isso não apenas me ensinou que nem tudo é possível como me deu uma demonstração precoce da aleatoriedade dessas impossibilidades. O universo não lhe negará apenas aquilo que está distante de seus bracinhos curtos. No mais das vezes ele lhe negará coisas extremamente simples e plausíveis, coisas que foram feitas impossíveis só de brinks. O universo não lhe negará somente o que for muito caro ou muito longe ou muito difícil, ele lhe negará também o que é barato, simples e perto apenas porque ele é grande e você é pequeno, ele é o universo e você é você.

Creio que esse ensinamento tenha me dado grandes vantagens em relação aos meus pares que aprenderam apenas que algumas coisas são muito caras e papai não pode pagar.

Hoje, quando já tenho 26 anos e achava que minha educação estava completa, minha mãe me manda um Whatsapp dizendo que está passeando de jardineira pela primeira vez e se divertindo muito. (As jardineiras voltaram a circular há alguns anos). Pois hoje eu aprendi que o universo não apenas é aleatório em suas negações como às vezes ele também é escroto e te manda mensagens avisando que aquilo que era tão simples e lhe foi negado é mesmo excelente.

linhas_kitty450x100611111131

Sem resposta

Tomei uma decisão na minha vida que é assim: eu já não respondo e-mails de desconhecidos/semi-conhecidos que obviamente não se deram o trabalho de pesquisar o assunto minimamente antes de me escrever. Isso significa que eu não respondo mais pedidos de parceria, envio de brinde e publicidade para o meu blog. As propostas são frequentemente indecentes e sempre começam com “eu leio sempre seu blog”, o que é mentira: se o cidadão tivesse lido uns três posts saberia que não tem nada de publicidade no blog, nem de parceria etc etc.

Também não respondo mais e-mails sobre dicas para freelas, a não ser que o e-mail traga uma pergunta específica que eu saiba a resposta e por acaso não tenha incluído no meu post sobre o assunto. Se a pessoa obviamente não leu o post, nunca leu nenhum outro material sobre o assunto e achou que seria super de boas alugar um estranho para tirar todas as suas dúvidas sem ter que pesquisar nada, então que vá se catar.

Outro e-mail que não respondo: “que câmera e lente você usa?”. Essa informação consta no Flickr, ao lado de cada uma das imagens.

Mais outro: proposta de trabalho indigna de ser considerada.

E outro e outro: “como é morar em São Paulo?”, “como é estudar Letras?”.

Uma boa forma de receber respostas para esse tipo de pergunta sem incomodar as pessoas é pesquisando por conta própria ou perguntando em fóruns ou na sua própria rede social. Quando a pergunta não é direcionada a uma pessoa, responde quem quer, ninguém está sendo intimado a responder. Outra opção digna é recorrer a conhecidos de verdade e ainda assim demonstrando algum respeito pelo tempo da pessoa, algo que raramente acontece nesses e-mails. Parece que o simples fato de você ter um blog ou até um Facebook te faz um balcão de informações que está ali para isso mesmo, então, tudo bem a pessoa perguntar o que quiser e depois responder com um seco “obrigada” ou, melhor ainda, simplesmente parar de responder no minuto exato em que a dúvida dela foi solucionada e você já não é útil (mais comum do que você imagina).

Passei os últimos anos respondendo religiosamente todo e-mail que me mandavam, inclusive os mais sem noção. Por que? Porque sou legal? Claro que não: respondia porque a ideia de que alguém pudesse falar mal de mim me parecia assustadora o suficiente para merecer essa resposta. Imagina se a pessoa ignorada fala para um amigo: “mas essa menina que eu lia na internet é muito mal educada, nem respondeu meu e-mail, afe”. Pois é, isso me parecia relevante. Não parece mais. Ou até parece, mas digamos que os dez minutos que economizo em uma interação social fracassada me pareçam um pouco mais relevantes.

Para completar a lista de decisões que provavelmente me tornam uma pessoa mais antipática, mas certamente evitam a úlcera, desde o ano passado não tenho mais “frenemies”. Ou melhor: ainda tenho porque essas coisas vão se acumulando e você demora a detectar/lembrar/conseguir se desapegar de todos eles, mas estou resoluta a não mais acumulá-los e meio que aindei fazendo uma limpa. Pedi desculpas sinceras a algumas pessoas que acho que prejudiquei em algum momento da vida e deletei sumariamente pessoas que me prejudicaram e nunca pediram desculpas (ou o fizeram daquele jeito “desculpa se eu…”. Desculpa + se = pior do que ficar calado). Também estou nessa vibe de deletar pessoas que nunca me fizeram mal nem eu fiz nada a elas, mas com as quais me sinto em disputa por algum motivo abstrato e idiota.

Vou tentar restabelecer vínculos com alguns poucos parentes que acho que valem a pena e abrir mão por completo dos outros. Alguns realmente são escrotos e deixa para lá, outros até que são bonzinhos, mas quando o sentimento de que alguém não tem nada a ver com você persiste por mais de cinco anos é porque isso provavelmente é verdade, então, para que apostar tanto em laços de sangue? (Minha mãe daria risada se lesse isso aqui porque até parece que eu aposto tanto, mas, sei lá, já que estou apostando tão pouco, que tal não apostar at all?).

Bem, acho que é isso. Acho que está bom por ora.

linhas_kitty450x100611111131

Macaca

Tenho um histórico de zicas e ressentimentos envolvendo o Philip Roth. Quando tomei um fora histórico, por exemplo, o carinha de quem eu gostava me deu ”O Animal Agonizante” de presente antes de ir viajar com a moça pela qual fui preterida. Um tempo depois, tentei dar “Adeus, Colombus” de presente para um paquera com o qual eu achava que estava arrasando. Você foi na minha casa buscar o livro? Pois ele também não, nunca mais vi. O rolo subiu no telhado igualzinho aquele menino judeu que ameaça pular do telhado caso a comunidade não aceite Jesus no primeiro conto do livro.

Semana passada, comecei um bazar virtual no Flickr e vendi os dois livros por R$ 10 cada. Mágoas: um dia já guardei, hoje por quaisquer R$ 10 você leva as minhas pra casa.

linhas_kitty450x100611111131

Voltem para o armário

Li um artigo sobre como os blogs de moda estilo “blogueira de moda”, “look do dia” estavam ficando datados e sendo progressivamente substituídos por outros modelos como o “blog de mãe” (em que uma moça fala sobre o universo da “maternidade legal”); o “blog de Amélia” (em que a moça fala sobre como arrumar a casa para uma festa, como servir uma mesa da forma “correta”, como redecorar 30 vezes o mesmo cômodo) e o blog de ginástica (blogueira fitness, um fenômeno que ganhou projeção muito mais rápido do que as blogueiras de moda jamais sonharam).

Esperta, diz o artigo, é a blogueira que fizer um mexidão e combinar isso tudo. Ou seja, esperta é a moça que permanecer com um pé na moda (terreno seguro e já explorado), mas aproveitar para adquirir uma família e tonificar os músculos nas horas vagas.

O artigo não problematizava muito a questão, apenas constatava que as pessoas estão perdendo o interesse no esquema “look do dia” e que posts mais voltados para casa, família etc têm feito sucesso. Isso talvez se deva a um envelhecimento do público que lê esses blogs ou das blogueiras em si (eu tenho essa teoria de que rico “envelhece” cedo. Rico aos 25 já tem casa fixa, já casou ou está em vias de. Rico casa, para começo de conversa. Depois tem filho. O filho acarreta em mil processos que rendem posts, essas coisas). Uma “pessoa de humanas” comum não vê sua vida mudar drasticamente entre os 25 e os 30, um rico já é outra pessoa, toda uma nova fase.

A perspectiva de ver a internet tomada por mesas de jantar, rituais familiares estapafúrdios e bebês me deixou um pouco saudosista dos fotologs e até dos tempos aureos (2009?) das blogueiras de moda.

Todo mundo falou tanto nas tais “selfies” em 2013 que eu não pude evitar pensar nas fotologgers que povoaram minha adolescência, mais especificamente na Marimoon, que é a única que eu ainda tenho notícias. Quase todas as matérias sobre a Marimoon no começo dos anos 2000 chochavam a garota por tirar muitas fotos dela mesma e por se “expor desnecessariamente na internet”. Hoje, cada um dos leitores e editores dessas matérias tem um Instagram (um fotolog moderno e menos criativo) e posta fotos com um geolocalizador que indica exatamente onde a pessoa está, onde ela mora. A expressão “eu sei onde você mora” como sinal de ameaça nunca fez tanto (e tão pouco sentido): todos sabem onde todos moram.

As fotologgers foram (em certa medida e com um intervalo temporal considerável em termos de internet) substituídas pelas blogueiras de moda. As fotologgers eram incrivelmente mais legais do que as blogueiras de moda! Claro que não eram o modelo mais edificante que poderíamos ter, mas ainda era um fenômeno interessante. Para voltar à Marimoon, ela era uma menina normal, amplamente zuada na internet por motivos idiotas como “nariz grande”, “vegetariana que usa bota de couro” e “você se expõe demais” e que ainda assim fazia o que queria, costurava as próprias roupas, tirava fotos loucas. Hoje ela continua fazendo as mesmas coisas, nem aí para quem acha que ela não tem idade para usar aquelas roupas ou para ter aquele cabelo.

Daí vieram as blogueiras de moda. Um retrocesso significativo pois trouxeram um apelo financeiro que não existia (eu pelo menos não sentia) em relação ao fotolog. O foco do fotolog era ser gatinho e descolado, não era usar a marca tal, frequentar lugares caros, tirar fotos em que sua casa de rico acidentalmente aparecesse no fundo. Mesmo quando havia um apelo de consumo, era por itens baratinhos da 25 de Março/Galeria do Rock (chora, Salvador).

Apesar do retrocesso, os blogs de moda eram melhores do que essa vibe mãe/esposa/maratonista que começa a dar o ar da graça. Porque o foco pelo menos era na garota em si, no ego dela, nas roupas dela (mas em algum nível ainda trazia um olhar para si, um empoderar-se, ainda que fosse um empoderamento do mais raso, que é o empoderamento através da beleza e do dinheiro). Porque é menos ameaçador ser interpelada a comprar sapatos do que a se encaixar em todo um modelo de vida coxinha e, francamente, muito chato. Porque o que se configura no horizonte é uma possibilidade da influência negativa desses blogs deixar de ser restrita ao armário e invadir a casa inteira. Uma casa chata, correta e muito, muito família.

linhas_kitty450x100611111131

Filmes e afins de 2013


Screen shot 2014-01-01 at 5.52.35 PM

Balanço de um ano ficcionalmente pouco produtivo.

Filmes:

Nascidos em Bordéis, Zana Briski e Ross Kauffman ★★★

Assisti esse filme com a minha mãe, na virada de 2012 para 2013. Filminho leve sobre crianças indianas filhas de prostitutas. Desculpa, mãe.

A Primeira Noite de Um Homem, Mike Nichols ★★★★★
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, Woody Allen ★★★★★

Compramos cópias piratas de “Annie Hall” e “The Graduate” na China e levamos para animar as noites em Pyongyang. No nosso último dia lembro de uma conversa com a Isabela, minha amiga, na qual conjecturávamos se deveríamos ou não dar os filmes para o Che, nosso tradutor. Seria uma operação secreta, é claro, mas depois a gente ficou pensando e, bem, o que ele vai pensar do Ocidente? Melhor não. Ainda me pergunto o que ele acharia desses filmes, se acharia que somos histéricos e cheios de “white people problems”.

English Vinglish, Gauri Shinde ★★★

Aqui começa a fase Bollywood do ano. Esse filme é um sucesso na Índia e é interessante pensar por quê. Eles vêem essa história como um exemplo de como a dona-de-casa indiana pode ampliar seus horizontes culturais e dar a volta por cima. Eu acho um exemplo de como a dona-de-casa indiana sofre cobranças irreais para ser culta e mente aberta enquanto permanece de sari na cozinha.

O filme é assim: uma dona-de-casa linda e prendada ganha a vida cuidando dos filhos, da sogra e vendendo ladoos, um docinho delícia. Pegadinha #1: está ficando complicado para as famílias indianas conseguirem se sustentar apenas com o trabalho masculino. Nos grandes centros como Mumbai e Déli os homens estão sendo forçados a aceitar que suas mulheres não mais serão donas-de-casa. Não é avanço, é necessidade mesmo. Nesse contexto, o que poderia ser melhor do que uma mulher que permanece em casa, mas arruma um jeito de gerar renda cozinhando para fora?

Shashi, a protagonista de “English Vinglish”, é tudo que um indiano moderno poderia querer. Bonita, tradicional, usa sari, fica em casa, ajuda a pagar as contas. Seu único defeito é ter um inglês ruim, algo que constrange o marido e a filha. Ter um inglês bom é uma questão de status na Índia, algo como um requisito mínimo para você ser um membro respeitável da classe média. Aqui já é assim, mas acho que lá é mais pesado por conta da colonização (e porque aqui meio que ninguém fala inglês bem, todos fingem, todos compram a encenação uns dos outros e vivemos felizes).

A primeira parte do filme é uma sequência infinita de bullying familiar por conta do inglês ruim + trabalho incessante para vender os ladoos. Na segunda parte do filme, a protagonista, cansada de ser humilhada, resolve viajar para visitar a irmã em Nova York e aproveita para aprender inglês em inimagináveis quatro semanas.

Como Bollywood sempre tenta imitar as fórmulas de Hollywood mas depois lembra que tem seus entraves culturais, esse filme devia ser uma comédia romântica e, logo, devia conter um parzinho romântico. Eles tentam forçar a amizade lançando um europeu como parzinho da Shashi, mas como ela é a esposa indiana ideal, não ficaria bem pular a cerca, então, o romance é todo chocho, ninguém pega na mão, ninguém passa uma cantada e no fim todos ficam amigos, a moça aprende inglês e o casamento se reestabelece.

3 Idiots, Rajkumar Hirani ★★★★

Um dos melhores filmes de Bollywood (pelo menos entre os que eu vi e os meus amigos indianos amam de paixão).

Devdas, Sanjay Leela Bhansali ★★★★

Devdas leva os Oscar por ser meu filme favorito de Bollywood, com o ator mais lindo e as melhores danças. Machista que só ele, claro. Nosso herói faz coisas como tacar um colar na cara de seu parzinho com tanta fúria que sua testa sangra e ela ganha uma cicatriz do Harry Potter que arde sempre que Devdas está por perto (a história original é anterior à Harry Potter, então, vejam só em que fonte J.K. foi beber).

Uma coisa irritante em Bollywood é que eles não admitem que um personagem seja ruim de verdade, ainda mais em tramas familiares. Não dá para conceber uma sogra má, um sogro azedo, no máximo um cunhado meio esnobe. Isso significa que para estabelecer o drama é necessário abusar das coincidências e das mancadas. Se você for ver bem, a história é amplamente inverossível e aquilo que é apresentado como um drama insolúvel é só um arranjo de mal-entendidos. A possível futura sogra que em uma cena é tão arrogante e inflexível na outra já é um doce. A vizinha pobre e ofendida que em uma cena jurou vingança na outra já está de boas.

Destaque para: as cenas de alcoolismo de Devdas. Como não pega bem colocar o mocinho para efetivamente encher a cara, notamos que Devdas mais espirra bebida pelos ares do que efetivamente a ingere.

Taare Zameen Par, Aamir Khan ★★
Pyaar Ka Punchnama, Luv Ranjan ★★
Rowdy Rathore, Prabhu Deva ★★
Bhagam Bhag, Priyadarshan ★★
Mujhse Fraaandship Karoge, Nupur Asthana ★★
Jab We Met, Imtiaz Ali ★★
Rang De Basanti, Rakeysh Omprakash Mehra ★★
Munna Bhai M.B.B.S, Rajkumar Hirani ★★
Lage Raho Munna Bhai, Rajkumar Hirani ★★
Lanka, Maqbool Khan ★★
Taxi No 9211, Milan Luthria ★★
Garam Masala, Priyadarshan ★★
A Vida de Pi, Ang Lee ★★★

A Outra História Americana, Tony Kaye ★★★★★

O Som ao Redor, Kleber Mendonça Filho ★★★★★

Eu devia ter escrito sobre esse filme, mas fui a um grupo de estudos sobre ele e as pessoas tinham ideias tão melhores que as minhas que fiquei encabulada.

A Hora da Zona Morta, David Cronenberg ★★★
A Era do Rádio, Woody Allen ★★★★
Amor, Michael Haneke ★★★★★
A Testemunha, Peter Weir ★★★
Férias Frustradas de Verão, Greg Mottola ★★★
Chernobyl: Sinta a Radiação ★★
O Lado Bom da Vida, David O. Russell ★★★
Freud, Além da Alma, John Huston ★★★
Seven: Os Sete Pecados Capitais, David Fincher ★★
Quem Vê Cara Não Vê Coração, John Hughes ★★★★
Caro Francis, Nelson Hoineff ★★

Filme ruim, as estrelas são só para o objeto.

Os Agentes do Destino, George Nolfi ★
O Joelho de Claire, Eric Rohmer ★★★★★
Dentro da Casa, François Ozon ★★★★
Zumbilândia, Ruben Fleischer ★★★★★
A Hora do Espanto, Craig Gillespie ★★★
O Que Traz Boas Novas, Philippe Falardeau ★★★★
Humanoides das Profundezas, Barbara Peeters ★★
Harry & Sally – Feitos um Para o Outro, Rob Reiner ★★★★★
E Se Fosse Verdade, Mark Waters ★

Pior filme do ano.

Notícias de uma Guerra Particular, Kátia Lund e João Moreira Salles ★★★★★
Percival, o Gaulês, Eric Rohmer ★★★★★
Picnic na Montanha Misteriosa, Peter Weir ★★★★★
Dias de Paraíso, Terrence Malick ★★★★★
Hannah Arendt, Margarethe von Trotta ★★★★
Um Corpo Que Cai, Alfred Hitchcock ★★★★★
Descalços no Parque, Gene Saks ★★★★★
Frances Ha, Noah Baumbach ★★★★★
Metropolitan, Whit Stillman ★★★★★
General, Clyde Bruckman e Buster Keaton ★★★★★
Um Estranho Casal, Gene Saks ★★★★
Bling Ring: A Gangue de Hollywood, Sofia Coppola ★★★
Feitiço da Lua, Norman Jewison ★★★
Ontem, Hoje e Amanhã, Vittorio De Sica ★★★★
A Difícil Arte de Amar, Mike Nichols ★★★★★
Duas Garotas Românticas, Jacques Demy ★★★★
A Morte lhe Cai Bem, Robert Zemeckis ★★★
O Mestre, Paul Thomas Anderson ★★
Ela É o Diabo, Susan Seidelman ★★★
Férias Frustadas, Harold Ramis ★★★★
Salinger, Shane Salerno ★★
Manhattan, Woody Allen ★★★★★
Uma Espécie em Extinção, Art Linson ★★
Tratamento de Choque, Peter Segal ★★★
O Bebê de Rosemary, Roman Polanski ★★★★★
O Amante, Jean-Jacques Annaud ★★★

Honestamente, é um filme pornô (mas um pornô bom, isso eu concedo) Adoro esse livro. Acho que eu assistiria pornôs se eles tivessem mais essa cara. Menos vaginas que mastigam pênis, mais orientais gatos e moças dentucinhas.

O Último Imperador, Bernardo Bertolucci ★★★★
Simplesmente Amor, Richard Curtis ★

Sites gringos estilo BuzzFeed falam tanto desse filme que fui assitir para não me sentir por fora. Por fora estava mais gostosinho.

Hanami – Cerejeiras em Flor, Doris Dörrie ★★★★
Blue Jasmine, Woody Allen ★★★
Caindo na Real, Ben Stiller ★★
Nunca Fui Beijada, Raja Gosnell ★
Histórias que Contamos, Sarah Polley ★★★★★
Violência Gratuita, Michael Haneke ★★★★★
Paixões em Nova York, Edward Burns ★★★
Hatari!, Howard Hawks ★★★
O Clube das Desquitadas, Hugh Wilson ★★★★

Até hoje minha mãe usa o termo “clube das desquitadas” quando vai sair com um grupo de amigas divorciadas.

007: Operação Skyfall, Sam Mendes ★★★★★

Assisti na virada de 2013 para 2014, quero escrever sobre ele e sobre o quanto eu amo o Daniel Craig depois.

tumblr_mljdq2467E1qfgofvo1_1280-1

Livros:

The Prime of Miss Jean Brodie, Muriel Spark ★★★★
World War Z, Max Brooks ★★★
The Already Dead, Eric Cazdyn ★★★★★
The Road, Cormac McCarthy ★★★

Escrevi sobre esses três livros em um trabalho da faculdade (mas para falar a verdade meus trabalhos da faculdade não são muito diferentes dos meus posts neste blog). Está aqui, se quiser dar uma olhada.

A Legião Estrangeira, Clarice Lispector ★★★★★
Monodrama, Carlito Azevedo ★★★★★

Peças:

Senhorita Júlia, Eduardo Tolentino de Araújo ★★★
Expresso K, Bia Szvat ★
O Berro, Eduardo Tolentino de Araújo ★★★★

Shows:

Travis, Planeta Terra Festival ★★★
Lana Del Rey, Planeta Terra Festival ★★★
Beck, Planeta Terra Festival ★★★
Blur, Planeta Terra Festival ★★★★★

linhas_irma450x100311111

Um norte

thumb.php

Tentativas de rumo para 2014:

- Estudar francês;
- Ler mais, ver mais filmes;
- Escrever alguma coisa toda semana;
- Arrumar um jeito de continuar escrevendo bastante em inglês agora que não tenho a USP para me obrigar;
- Abrir o Facebook, Twitter e Instagram somente uma vez a cada dois dias (ou menos ainda que isso. Não é uma medida produtivista para poupar tempo. Tenho angústia de produtivismo, mas não quero mais ter uma relação tão direta com a vida dos outros);
- Fazer exercício três vezes por semana (ou alguma vez por semana);
- Viajar para qualquer lugar que eu não tenha ido;
- Parar de comer peixe;
- Ligar para minha mãe uma vez na semana (pelo menos isso);
- Fotografar mais;
- Parar de chegar atrasada nos lugares, parar de atrasar trabalhos;
- Precisar menos da atenção dos outros;
- Dormir oito horas por dia, não trabalhar nos fins de semana;
- Dar o fora de São Paulo.

(sendo que a pessoa que realmente der o fora de São Paulo fica automaticamente desobrigada de tentar cumprir as outras metas por motivo de já ter zerado o ano no hard. tentativas de dar o fora de São Paulo que fracassarem em menos de um ano não serão computadas por motivo de honestidade comigo mesma).

tumblr_mwd3zbvZiy1qc8307o1_500

O que foi legal em 2013:

- Me formar na USP;
- Viajar para China, Índia, Coreia do Sul e Coreia do Norte;
- Publicar um livro com posts do blog;
- Parar de comer frango, comer peixe só de vez em nunca;
- Traduzir quatro livros;
- Aplicar o conceito Shosh de autoestima em vários campos da vida pessoal e profissional.

Conheça você também o conceito Shosh de autoestima e faça seu 2013 valer a pena em apenas 13 segundos:

O que não foi legal em 2013:

- Fiquei estressada e não aproveitei muito a vida;
- Quase não saí com as pessoas, quase não fiz coisas legais no dia-a-dia;
- Assisti poucos filmes, não li nada por lazer;
- Gastei muito dinheiro, ganhei pouco dinheiro (lado bom: gastei meu dinheiro com coisas legais, não com besteira. Ganhei pouco dinheiro porque estudei mais do que trabalhei. Lado ainda melhor: estou ficando mais seletiva com trabalhos, o que talvez me faça morrer de fome, mas evita a fadiga. Tenho precisado de cada vez menos coisas, o que me abre uma certa margem para escolher o que fazer).

O que não apenas não foi legal como inclusive foi uma merda:

- Acho que nunca me senti tão desconectada das coisas e das pessoas, talvez por excesso de leitura de Eric Cazdyn e Carlito Azevedo, talvez por idade, talvez por um terceiro motivo ainda não detectado;
- Laika morreu.

Charlotte Gainsbourg, In the end

linhas_kitty450x100611111131