Piano

Essas pessoas que fazem as coisas, que fazem todas as coisas, eu fico pensando se elas não gostam de alguém e ficam distraídas no trabalho, se não mudam de ideias, se não estão em vias de fazer o que iam fazer e daí lembram que piano é tão bonito, a gente devia aprender piano.

6 comentários sobre “Piano

  1. Ah, Juliana, lendo pensamentos…
    Eu deveria estar fazendo as coisas, mas aí lembro que ler os seus textos é tão legal, eu deveria ler seus textos mais vezes.

  2. https://takedireto.wordpress.com/2012/08/26/um-piano/

    um piano

    nunca dizer para um velho piano que ele está desafinado. é pura falta de respeito. não se pode ofender jamais um instrumento assim, que encerra imensos segredos, sonhos e razões. tem imensas histórias para contar. como ele subiu aquelas escadas todas, até ali: esta é logo a primeira. tem também a da motivação do seu primeiro dono para adquiri-lo. e pergunta-se depois – ao piano, claro está – onde está o teu dono? só o piano saberá qual foi a exata expressão do seu músico ao tocar a última nota do dia, a maneira como ele fecha ou fechava o tampo das teclas.

    sentava-se ali. gostava disso de tentar entender as escalas sem saber patavina de teoria ou de pautas. tocava criações do momento. todas se perderiam no tempo, mas pareciam ser sempre a serenata ideal para os instantes em que a música começava a encher todo o espaço, a espalhar-se em todo o lugar, com a sua ressonância ímpar, que se entranhava até nos tijolos vermelhos ocultos em cada parede. tudo somado foram poucas horas, mas cada minuto foi valioso. são as pessoas que acordam um piano ou é ele que acorda as pessoas? quem acordava antes, de manhã? o piano ou ele? o piano o chamava ou era ele quem chamava o piano?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *