Arquivo da tag: eleições

Fora das urnas

Alguns dos raciocínios mais obtusos que ouvi durante esse processo eleitoral estavam relacionados à forma como as pessoas se comportam na internet durante as eleições. De listas estilo BuzzFeed com regras de conduta a consultores de etiqueta do Twitter, muitos pareciam concordar que fazer campanha em redes sociais não adianta. Um site de notícias falsas fez uma manchete dizendo: “Convencidos por amigos, eleitores de Dilma votarão em Aécio e de Aécio, em Dilma”. Outro site fez um meme com os dizeres: “Mudei meu voto por conta do seu textão de Facebook, disse ninguém”. Partidários da *vida real* insistiam para que “saíssemos das redes sociais” e fôssemos influenciar “pessoas de verdade”, essa entidade cósmica que vaga pelas ruas, toma sorvetes e faz compras.

Há alguns problemas conceituais por trás dessa lógica de que a militância virtual é inconveniente e ineficaz. O primeiro é a divisão rígida entre mundo virtual e físico, como se a internet já não tivesse vazado, como se não fosse a conexão mais estreita com o real para boa parte de nós, inclusive para aqueles que vagam por ruas, tomam sorvetes e fazem compras. Diz isso quem perdeu o bonde do Zeitgeist e não percebe que — em 2014, em um grande centro urbano brasileiro — a internet é o lugar onde você influencia o voto de mais gente, exceto, talvez, pelo seu local de estudo e trabalho.

O segundo problema é a crença de que devemos ser adequadinhos, devemos levar a vida de modo a causar o mínimo de distúrbio e desconforto para os demais, devemos erguer a existência em torno do nobre objetivo de evitar atrito. A etiqueta, essa tentativa de pasteurização de qualquer atividade humana, diz que é deselegante ser a pessoa que defende demais um candidato. Idealmente, se anule. Se não for possível, coloque suas posições de modo discreto e paumolecente.

O terceiro problema está na ideia de que não é possível influenciar os amigos pois cada um tem sua opinião e ninguém vai mudar por conta do seu “textão de Facebook”. Gosto desse termo que começaram a usar, “textão de Facebook”. O advento da timeline é uma das poucas coisas legais do Facebook porque estimulou pessoas que jamais pensaram em ter um blog a escreverem mais longamente e compartilharem suas análises. O termo, no entanto, deixa claro que isso é uma subversão dos propósitos dessa rede social, feita para divulgação de fotos e relatos concisos sobre como anda o seu umbigo. Se ouvir a opinião de seus conhecidos sobre os candidatos não te influencia, então eu não sei o que mais te influenciaria. Ver transeuntes com adesivos no peito? Assistir propagandas eleitorais em que candidatos seguram as mãos de velhinhas em casebres? Ficar parado no trânsito por conta de uma passeata? Acredito em todas essas velhas táticas da campanha política, mas não vejo nada mais pessoal, profundo e eficiente do que entrar em contato com a opinião de gente que você de fato conhece e respeita (ao menos o suficiente para manter na sua lista) e debater com essas pessoas. Não se trata de convencer — Saramago chama atenção para o fato de que “convencer é uma falta de respeito, uma tentativa de colonização do outro” —, mas de influenciar. No primeiro turno, votei em Luciana Genro amplamente influenciada por textões de Facebook de um amigo. No segundo turno, quase votei nulo por conta de textões de outra amiga (quando a urna me encarou nesta manhã de domingo, no entanto, bateu uma consciência de classe pequeno burguesa e os dedos, quase sozinhos, votaram no 13).

A ideia de que não é possível influenciar o outro está ligada ao quarto problema conceitual: o de que o voto é decidido no vácuo. Para essa concepção, o eleitor ideal é aquele que senta em uma tarde de domingo, analisa friamente as propostas de cada partido, faz um teste virtual que lhe diz qual o candidato mais alinhado às suas ideias, lê um relatório sobre desvios de conduta de cada indivíduo e define sua irrevogável posição. Esse eleitor ideal não se relaciona afetivamente com partidos, candidatos, com o noticiário e com os demais eleitores. Ele é senhor de seu voto, um sujeito sem história que chega de Marte às vésperas da eleição e faz escolhas baseadas em fatos.

Alguém observou no Twitter que durante as manifestações de junho do ano passado, o que mais se ouvia de gente pacata e ordeira era que “o nosso protesto faremos nas urnas”. Durante as manifestações anti-Copa, a mesma ladainha, “o nosso protesto faremos nas urnas”. Agora, nas eleições, o comentário dessas mesmas pessoas era de que não aguentavam mais gente chata falando de eleição. Rs. A pessoa, no caso, observou isso como um movimento contraditório. Eu vejo como uma radicalização do quanto determinados tipos encerram nossa encenação democrática à urna enquanto objeto físico. Para eles, nada de adesivos, panfletos, trânsito parado, nada de textão no Facebook. Democracia se faz com assepsia. E urnas, que curiosamente me lembram da morte.

PS: Sobre passeatas como forma de convencimento, o Alexandre Soares Silva tinha um texto maravilhoso dizendo que não entendia a passeata como argumento. Não encontrei, ele também não encontrou, mas era algo como: “Não compreendo a caminhada como forma de argumento. ‘Você não pensa como eu penso? Mas pô, eu tô andando!'”.

Uma derrota que já foi

Dilma já foi derrotada. Estar praticamente empatada com Aécio Neves mesmo tendo a máquina do Estado e o apelo emocional do lulismo ao seu lado é uma derrota e tanto. Há poucos meses eu nem acreditava que era possível um presidente da república perder uma reeleição dada a vantagem desproporcional que esse mecanismo dá a quem já está no poder. A rejeição à Dilma mostra que o projeto petista de distribuição via de renda via assistencialismo estatal se esgotou, o governo falhou em dar um passo seguinte à retirada da miséria. É um esgotamento de projeto, não é falta de carisma, não é incompetência pessoal de Dilma e definitivamente não é porque Aécio Neves é um bom candidato.

O crescimento de Marina forçou uma certa guinada de Dilma à esquerda. O momento em que Marina foi catapultada nas pesquisas foi o momento em que Dilma parecia menos apática, menos zeladora de prédio, menos guarda do museu do lulismo. A estratégia de malhar Marina foi meio calhorda e saiu pela culatra. Marina virou escada para Aécio. A eleição que parecia representar a consolidação do projeto petista para o país — com duas mulheres oriundas do centro, com histórico de luta social, no segundo turno — virou uma representação gráfica da fragilidade desse projeto.

Não acho que o mundo vá acabar se Aécio for eleito. Na verdade, gostava de ver como a esquerda se reorganizaria sem o PT no poder, como os movimentos sociais deixariam de ser aparelhados. Não vou votar na direita para satisfazer essa pequena curiosidade histórica, rs — Até porque a direita vai voltar uma hora ou outra, sei que ainda vou ver isso tudo.

O Brasil é tão atrasado em direitos sociais que qualquer migalha de política social-democrata que os governos petistas concedam ganha ares de revolução; é dessa forma que uma gestão corrupta, aliada e alinhada com a burguesia nacional e que não consegue avançar sequer pautas liberais como casamento gay e aborto é percebida como um grande patrimônio da esquerda, um totem pelo qual vale a pena trocar décadas de esforço para erguer os movimentos sociais do país. Mesmo sendo social-democrata na menor parte do tempo e fazendo concessões éticas e políticas descomunais para viabilizar um projeto recuado, o petismo tende a ser visto como revolucionário por uma elite que ainda digere a lei áurea e seus desdobramentos — como a política de cotas raciais e a paridade de direitos entre trabalhadores domésticos e de empresas.

Dilma já foi derrotada. Ela já entrará em seu segundo mandato em dívida com uma direita fortalecida e com uma base que a considera vagamente menos pior que a oposição. É importante que o PT perceba que, mesmo ganhando, perdeu, e vai continuar perdendo enquanto não avançar a pauta da inclusão de consumidores para a inclusão de cidadãos. O que, é bom lembrar, também não seria revolucionário.

É engraçado — e na verdade me enche de esperanças — ver as pessoas da direita falando sobre sovietização do Brasil, sobre como isso aqui vai virar uma Cuba etc. Não parece um discurso muito conectado com a realidade ou com o noticiário, mas sempre penso “ah, que fofo” porque, lendo os marxistas contemporâneos, o problema é justamente o contrário, não é? O problema é que o horizonte de expectativas da esquerda foi ridiculamente achatado e sequer sonhamos alto, o problema é que nem a gente acredita na viabilidade da revolução (ou mesmo de reformas audaciosas). Enfim, o mundo TINA, da Margaret Thatcher. Quando vejo as pessoas da direita dizendo que há sim alternativa, bem, isso parece bastante meigo da parte delas, passar essa dica e tudo.